Mulheres e ecofeminismo: Uma abordagem voltada ao desenvolvimento sustentável

Rosângela Angelin

Resumen


Atualmente, tanto o tema ambiental, quanto as teorias de desenvolvimento sustentável ocupam um lugar central nos debates de várias áreas do conhecimento, exigindo uma reflexão mais aprofundada acerca dos comportamentos humanos entre si e diante do meio ambiente natural. Diante disso, há que se considerar que, as sociedades baseadas no modo de produção capitalista apresentam uma enorme dificuldade de garantir um desenvolvimento humano, social e ambiental que seja sustentável e, ao mesmo tempo, tem avançado rumo a desumanização e a destruição do planeta. A partir do método de procedimento sócio-histórico-analítico e de uma abordagem feminista, o trabalho procura analisar a relação das mulheres com o meio ambiente, questionando-se se existe alguma relação entre exploração e dominação da natureza e dominação e subordinação das mulheres nas relações de gênero. Os estudos baseados nas teorias ecofeministas constatam que existe uma ligação consistente entre a exploração do meio ambiente natural e das mulheres, baseada em processos fundamentados no modo de produção capitalista e em relações humanas patriarcais, sendo que existe uma objetificação tanto das  mulheres  como da natureza. Isso demonstra que a proximidade  entre as mulheres e ecossistema existe muito mais do que por um fator natural, mas sim pelas condições de poder impostas. Assim, frente a crise ambiental, as ideias e experiências de cuidado e solidariedade, vivenciadas pelas mulheres são válidas para apontar alternativas de mudanças voltadas ao desenvolvimento sustentável.

 

Palabras clave


ecofeminismo, desenvolvimento Sustentável, modo de produção capitalista, mulheres, relações de gênero.

Texto completo:

PDF HTML

Referencias


Badinter, E. (1986.) Um é o outro. Relações entre homens e mulheres. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Beauvoir, S. (1968). Das andere Geschlecht: Sitte und Sexus der Frau. Hamburg: Rowohlt.

Casares, A. (2012). Antropología de Género: culturas, mitos y esterotipos sexuales. Tercera Edición. Universitat de València. Madrid: Ediciones Cátedra Grupo Anaya.

Eagleton, T. (2005). A idéia de Cultura. Tradução Sandra Castello Branco. São Paulo: Editora UNESP.

Ehrenreich, B., english. (1984). Deirdre. Hexen, Hebammen und Krankenschwestern. 11. Auflage. München: Frauenoffensive.

Eisler, R. (2007). O cálice e a espada: nosso passado, nosso futuro. Tradução de Ana Luiza Dantas Borges, Rocco. Rio de Janeiro.

Eisler, R. (1996). O prazer sagrado: sexo, mito e política do corpo. Tradução de Tônia Van Acker. São Paulo: Palas Athena.

Fraser, N. (2007a). Reconhecimento sem ética? Revista Lua Nova. São Paulo, 70, 101-138.

Fraser, N. (2007b, maio-agosto). Mapeando a imaginação feminista. Estudos Feministas. Florianópolis, 15(2), 291-308.

Fraser, N. (2011, Jul-Dez). Mercantilização, proteção social e emancipação: as ambivalências do feminismo na crise do capitalismo. Revista Direito GV. São Paulo, 7(2), 617-634.

Fraser, N. (2010). Redistribuição, Reconhecimento e Participação: Por uma Concepção Integrada da Justiça. In: SARMENTO, Daniel; IKAWA, Daniela; PIOVESAN, Flávia (Orgs.). Igualdade, Diferença e Direitos Humanos. 2ª tiragem. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, p. 167-190.

Gebara, I. (1997). Teologia Ecofeminista. São Paulo: Editora Olho d’Água.

Hall, S. (2005). A identidade Cultural na pós-modernidade. Tradução: Thomaz Tadeu da Silva; Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A editora.

Holland-Cunz, B. (1996). Ecofeminismos. Traducción: Arturo Parada.Madrid: Ediciones Cátedra.

Lagarde y de los Ríos, M. (2011). Los cautiverios de las mujeres: Madresposas, monjas, putas, presas y locas. Madrid: Romanyà Vakks.

Menschik, J. (1977). Feminismus, geschichte, theorie und praxis. Köln: Verlag Pahl Rugenstein.

Mies, M., Shiva, V. (1995). Ökofeminismus. Beiträge zur Praxis und Theorie. Zürich: Rotpunkt-Verlage.

Perrot, M. (2007). Minha história das mulheres. Tradução de Angela M. S. Côrrea. São Paulo: Contexto.

Puleo, A. H. (2002). Feminismo y Ecología. El Ecologista. Nº 31. Espanha.

Puleo, A H. (2013). Ecofeminismo: para otro mundo posible. Segunda Edición. Valência (Espanha): Ediciónes Cátedra Universitat de València – Instituto de la Mujer, 2013.

Ruether, R R. (1993). Sexismo e Religião: rumo a uma teologia feminina. Tradução de Walter Altmann; Luís Marcos Sander. São Leopoldo, RS: Sinodal.

Yll, E Sanahuja. (2007). La cotidianeidad em la prehistoria: la vida y su sostenimiento. Mujeres, Voces y Propuestas. Barcelona: Icaria Antrazyt.




DOI: http://dx.doi.org/10.15359/udre.7-1.3

eISSN: 2215-4752   ISSN: 2215-2849

URL: http://www.revistas.una.ac.cr/index.php/dialogo/index

Correo electrónico: universidadendialogo@una.cr

Teléfono: (506)2277-3735

Dirección postal:

Universidad Nacional, Campus Omar Dengo, Vicerrectoría de Extensión

Plaza Heredia, Local C31

Calle 9, Avenidas 0 y 9, Heredia, Costa Rica.

Código postal: 86-3000

Universidad en Diálogo: Revista de Extensión.   ISSN Impreso: 2215-2849.   ISSN Electrónico: 2215-4752.

Sitio Web desarrollado por Área UNAWEB

Adaptación de Open Journal System