Los modelos de organización territorial y gestión de las áreas protegidas del litoral de São Paulo con enfoque en el Parque Estadual Isla del Cardoso

  • Jéssica de Lima Silva Universidade Estadual de Campinas
  • Regina Célia de Oliveira Universidade Estadual de Campinas
Palabras clave: Áreas protegidas. Ordenación Territorial del Litoral Sur de São Paulo. Parque Estatal Ilha do Cardoso.

Resumen

El presente artículo analiza los modelos de organización territorial e institucional de las Áreas Protegidas del Litoral Sur del Estado de São Paulo, con enfoque en el Parque Estadual Ilha do Cardoso - PEIC. Se presentan consideraciones sobre la importancia de la organización de los Mosaicos de Áreas Protegidas del Litoral Sur y el papel del PEIC en la Conservación de la biodiversidad. Se presentan aspectos de los desdoblamientos de la institucionalización del Parque y sus reflejos actualmente. Las Áreas Protegidas Costeras sufren con una serie de presiones de Uso de la tierra y problemáticas socioambientales. Significativos cambios ocurrieron en el Parque en los últimos años, entre las cuales se destacan las frecuentes necesidades que surgieron en el esfuerzo de conciliar las estrategias de Manejo y Gestión Participativa con las demandas de las poblaciones tradicionales y sus actividades. Así, las estrategias de manejo, se hacen necesarias para que los objetivos y funcionalidades de esta Unidad de Conservación sean de hecho, efectivos.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor

Jéssica de Lima Silva, Universidade Estadual de Campinas
Doutoranda pela Universidade Estadual de Campinas- UNICAMP.  R. Carlos Gomes, 250 - Cidade Universitária, Campinas - SP, Brasil, 13083-896.  jssicalime@gmail.com
Regina Célia de Oliveira, Universidade Estadual de Campinas
Professora Doutora do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Estadual de Campinas- UNICAMP. UNICAMP.  R. Carlos Gomes, 250 - Cidade Universitária, Campinas - SP, Brasil, 13083-896.  reginacoliveira@ige.unicamp.br

Citas

AB’SABER, A.N. O Ministério do Meio Ambiente tem errado em quase tudo (entrevista concedida a Maria Eduarda Mattar). La Insignia. (disponível em http://www.lainsignia.org/2005/mayo/ibe_056.htmAziz Ab`Saber (17 de Maio de 2005) , acessado pela última vez em 03/05/2014.
ARAUJO, M. A. R. Unidades de Conservação no Brasil – o caminho da Gestão para resultados. RiMa Edtitora: São Carlos, 2012.

BENJAMIN, A. H. Introdução à Lei do Sistema Nacional de Unidades de Conservação. In: Meio Ambiente, Direito e Cidadania, PHILIPPI Jr, A. São Paulo: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública, Faculdade de Direito, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Núcleo de Informações em Saúde Ambiental: Signus Editora, 2002. p.235-266.

BRASIL. Presidência da República. Comissão Interministerial para a Preparação da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio ambiente e Desenvolvimento. Desafios do desenvolvimento Sustentável. Brasília: Cima, 1991.

BRASIL. Lei nº 9.985 de 18 de julho de 2000. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 19 de jul. 2000. Seção I. p. 12026-12027

BRASIL. Código Florestal. Lei n° 4.471 de 15 de setembro de 1965. Disponível em: . Acesso em: 01 de nov. de 2010.

BRASIL. MMA. Plano Nacional de Áreas Protegidas. Brasília: MMA/Sec. de Biodiversidade e Florestas/Diretoria de Áreas Protegidas, 2006.

CASTRO, C. E. A Política Nacional de Proteção da Natureza e seus Desdobramentos no Território do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. Tese de Doutorado, FCT/UNESP, Presidente Prudente, 2012.

CNRBMA. Conselho Nacional da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica. Sistema Nacional de Unidades de conservação: texto da Lei 9.985 de 18 de julho de 2000 e vetos da presidência da República ao PL aprovado pelo Congresso Nacional. 2ed. revista e ampliada. São Paulo: CNRBMA, 2002.

CROCETTI, M. TERRA DE NINGUÉM? Entrevista com Tasso Azevedo. Revista EcoTerra Brasil, 2004. Disponível em: Acessada pela última vez em 20-07-2014

DECRETO n. 6040 de 7 de fevereiro de 2007 que institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais.

DECRETO n. 5758 de 13 de abril de 2006, que institui o Plano Estratégico Nacional de Áreas Protegidas, seus princípios, diretrizes, objetivos e estratégias e dá outras providencias.

DIEGUES, A.C. Saberes tradicionais e etnoconservação. In: DIEGUES, A. C.; VIANA, V. M. Comunidades tradicionais e manejo dos recursos naturais da Mata Atlântica. São Paulo: NUPAUB/LASTROP, 2004. p.9-22.

DIEGUES, A.C. A ecologia política das grandes ONGs transnacionais conservacionistas. NUPAUB-USP, 2008.

DIEGUES, A. C.; ARRUDA, R. S. V. (Org.). Saberes tradicionais e biodiversidade no Brasil. Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente; São Paulo: USP, 2001. 176 p.

FERREIRA, L. C. Conflitos sociais em Áreas Protegidas no Brasil: moradores, instituições e ONGs no Vale do Ribeira e Litoral Sul, SP. Idéias. 8 (2). 2001.

FRÓIS, C. Projeto paulista legaliza concessões em parques estaduais. “O eco”, 2014. Disponível em: < http://www.oeco.org.br/reportagens/27999-projeto-paulista-legaliza-concessoes-em-parques-estaduais>. Acessado pela última vez em: abril de 2014.

INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL – ISA. Almanaque Brasil Socioambiental. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2005.

IRVING, M. A. Refletindo sobre a Relação entre Proteção da Natureza e Ecoturismo em áreas protegidas: tendências no contexto brasileiro. IRVING & AZEVEDO (Orgs.)Turismo o desafio da Sustentabilidade. São Paulo: Editora Futura (2002).

IUCN. Guidelines for Protected Areas Management Categories. Cambridge, United Kingdon and Gland, Switzerland: IUCN, 1994. 29 p.

IUCN.. Protected Areas Programme. Parks. The international journal for Protected Area managers. Published of the World Commission on Protected Areas (WCPA) of the IUCN - World Conservation Union. sd.

MEDEIROS, R. Evolução das tipologias e categorias de áreas protegidas no Brasil. Ambiente & Sociedade. V.9.1 (2006): 41-64.

PADUA, M. T. J. Unidades de Conservação: muito mais do que atos de criação e planos de manejo. In: Miguel Sereduik Milano (org.) Unidades de Conservação: Atualidades e Tendências. Curitiba: Fundação O Boticário de Proteção à Natureza, 2003.

SANTILLI, J. Povos indígenas, quilombolas e populações tradicionais: a construção de novas categorias jurídicas. In: Ricardo, Fanny (org). Terras indígenas e Unidades de Conservação na natureza: o desafio das sobreposições. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2005.

VALLEJO, L. R. Unidades de conservação: uma discussão teórica à luz dos conceitos de território e de políticas públicas. 2010. Disponível em: < www.uff.br/geographia/ojs/index.php/geographia/article/.../88 >. Acessado pela última vez em: 12 de out. 2011.

VIANNA, L. P. De invisíveis a protagonistas – populações tradicionais e unidades de conservação. Anna Blume Editora: São Paulo, 2008.
Publicado
2018-11-23
Cómo citar
de Lima Silva, J., & de Oliveira, R. (2018). Los modelos de organización territorial y gestión de las áreas protegidas del litoral de São Paulo con enfoque en el Parque Estadual Isla del Cardoso. Revista Geográfica De América Central, 3(61E), 207 - 235. https://doi.org/10.15359/rgac.Esp-3.11
Sección
Estudios de Caso (Evaluados por pares)