O diário de Carolina Maria de Jesus. Uma brasileira marginalizada

Regina Simon da Silva, David Raphael Araujo da Fé

Resumen


Neste texto, analisamos o livro Quarto de despejo: diário de uma favelada (2015), publicado nos anos sessenta, pela então desconhecida Carolina Maria de Jesus. Escrito sob o formato de diário, Carolina retrata a visão interna de uma nova realidade que consternaria a população brasileira até os dias atuais: a favela. Em seus escritos, a autora trouxe consigo uma série de estigmas que marcaram, pejorativamente, o seu registro: era mulher, negra, pobre e semianalfabeta. Por isso, suas obras dividem opiniões acerca do seu valor literário. Este artigo objetiva analisar seu primeiro livro, evocando aspectos autobiográficos e memorialísticos em relação ao seu tempo e espaço.


Palabras clave


Literatura brasileira; Carolina Maria de Jesus; diário; autobiografia; memória

Texto completo:

PDF

Referencias


Jesus, C. M. (2015): Quarto de despejo: diário de uma favelada. São Paulo: Ática.

Lejeune, P. (1980). Je est un autre: L'autobiographie, de la littérature aux médias. Paris: Seuil.

___________. (2008): O pacto autobiográfico: de Rousseau à Internet. Belo Horizonte: UFMG.

Levine, R. (1994):Uma história para Carolina. En: Meiry, J. C. S. B.; Levine, R. M. (Orgs.). Cinderela Negra: a saga de Carolina Maria de Jesus. Rio de Janeiro: UFRJ.

Sousa, G. (2012): Carolina Maria de Jesus: o estranho diário da escritora vira lata. Vinhedo: Horizonte.

Woolf, V. (2014). Um teto todo seu. São Paulo: Tordesilhas.




DOI: http://dx.doi.org/10.15359/tdna.33-61.3

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

Temas de Nuestra América. Revista de Estudios Latinoaméricanos.   ISSN Impreso: 0259-2339.  

Sitio Web desarrollado por Área UNAWEB

Adaptación de Open Journal System